Gestão de Banca em apostas esportivas

por Redação
Gestão de Banca em apostas esportivas

Quando falamos sobre gestão de banca em apostas esportivas sempre estamos nos referindo a um conjunto de regras que serão colocadas diante de nossas atitudes. Isso serve para padronizar nossas ações e moldar nossas reações mediante as mais variadas situações.

Na gestão de banca dois conceitos precisam ser levados em consideração. Se trata da relação matemática e da relação humana. Na qual a relação humana se refere a interpretação do indivíduo, ou melhor, sua cognição. Enquanto a relação matemática, se refere a organização lógica dessa cognição, resultando na metodologia desse apostador.

O que é gestão de Banca em apostas esportivas e para o quê serve?

O primeiro passo para compreender a gestão de banca em apostas esportivas é saber diferenciar os termos gestão e a divisão de banca. Muitos apostadores associam essa gestão ao simples ato de dividir a banca de alguma forma. Contudo, a gestão vai muito além disso, sendo esse processo apenas uma parte da gestão de banca em si.  A gestão de banca nada mais é que um planejamento a longo prazo, o qual você primeiramente precisará desenvolver um método a partir do seu histórico de simulações e a partir disso, desenvolver uma gestão adequada ao seu perfil.

O método, a estratégia de como irá gerir sua banca e a divisão de stakes acabam padronizando todos os movimentos do apostador no mercado. Sendo assim definindo quando e como o apostador deverá investir, consequentemente gerindo seus investimentos a longo prazo. Sendo assim, a gestão de banca tem como objetivo administrar o risco do apostador dentro de um prazo pré-definido.

Muitos apostadores acabam se perguntando, mas para que serve a gestão de banca? E para essa resposta, nos baseamos em textos de um conceituado apostador Brasileiro, Josué Ramos. A gestão de banca tem como objetivo gerir os ganhos e perdas dos apostadores, mas principalmente gerir suas atitudes em relação as perdas e os ganhos, além de padronizar ações, investimentos e reações. Dessa forma qualquer apostador saberá agir na hora das famosas bad run’s, mantendo um padrão sobre o método estabelecido e evitando assim maiores perdas.

Quais os perigos de apostar sem seguir uma gestão de banca?

Atualmente, a maioria dos apostadores considerados profissionais, seguem uma gestão de banca, a qual foi criada a partir de seu método de trabalho já comprovado em apostas anteriores. Os perigos de um apostador seguir apostando sem se manter dentro de uma gestão de banca, é o mesmo risco de alguém atravessar uma via expressa e movimentada vendado.

Muitos apostadores consideram que basta você começar a apostar que logo terá um retorno, posto isso a maioria entra nessa vida visando ganhar muito dinheiro. Contudo, sabe-se que não é por esse caminho, pois para se tornar um apostador que consiga ser rentável isso demandará tempo, experiência e principalmente muita paciência e disciplina.

Além disso, apostar sem seguir uma gestão levará muitos a desistirem das apostas esportivas, pois logo nas primeiras apostas perdidas colocaram os “pés pelas mãos” e ficarão a mercê da sorte e do azar.

Como fazer sua própria gestão de banca?

Portanto, para fazer sua própria gestão de banca devemos primeiramente ter um método pré-definido através de apostas já registradas. Pode ser simulações de apostas dentro de um bom período de tempo.  Logo,  primeiro passo é registrar e simular apostas em uma liga específica, onde detenha informações e faça o seu planilhamento durante um certo tempo, que apenas você mesmo pode definir.

É importante fazer anotações sobre todas as entradas e compreender o motivo que te leva a estar efetuando aquela aposta. O seu objetivo ao efetuar simulações e estudar posteriormente seus números nessa liga, é para definir ajustes em suas leituras e dessa forma definir um método.

Não importando a forma como você escolhe suas apostas, pois com esse estudo sobre seus números e sobre suas anotações, você consegue identificar erros e ajustar atitudes.

A estratégia de como irá gerir sua banca é de suma importância, pois a definição da stake usada em cada aposta baseia-se em seus números como apostador, assim como a divisão de toda sua banca se baseia nisso.

Mas antes de dividirmos a banca é necessário entender sua estratégia de investimento, seu objetivo como apostador, principalmente elucidar suas regras e critérios para uma decisão.

Divisão de banca em apostas esportivas

Algo básico para uma boa divisão de banca, é ter em mente que sua banca não pode ter uma divisão de stakes menor do que o número da sua taxa de erros.

Isso quer dizer, que não importa se você dividi sua banca em unidades ou porcentagem, a noção matemática é a mesma. Porém, para o apostador profissional, Josué Ramos é necessário manter uma relação respeitável com a taxa de erros.

Dessa forma, todos os apostadores tem seus números de Winrate ou taxa de acertos. Digamos que um apostador em futebol que mantém cerca de 55% de winrate, ele deve manter uma média de odds adequada a essa taxa de acertos. Outro ponto, é que se ele mantém uma taxa de acertos em 55%, inversamente ele mantém uma taxa de erros em 45%.  O que de acordo com Josué Ramos, obriga esse apostador a manter uma divisão de banca acima de 45 stakes, por segurança.

A explicação fica no desvio padrão em relação as curvas e o risco que esse apostador terá no percurso do valor esperado. Mas para facilitar para o iniciante que ainda não terá conhecimento suficiente para conseguir compreender as noções de desvio padrão dos seus números.  A simples noção do winrate se encaixa como uma luva por ter uma relação direta com os valores da curva e o risco.

Planejamento e estratégia na gestão de banca em apostas esportivas

Outro passo importante na gestão de banca é o planejamento e a estratégia utilizada pelo apostador, sendo esses os pilares da gestão em si, pois refletem o perfil desse apostador.

Um lembrete apenas para todos que forem fazer sua gestão de banca. É que a gestão de banca é o último passo que um apostador dará antes de começar a apostar para valer. Antes de dar esse passo, o apostador terá que simular suas apostas e definir toda sua metodologia básica, para poder ter a base necessária para definir uma gestão.

A divisão básica que quase todos indicam para apostadores em futebol, de cerca de 50 unidades em banca, são números baseados em uma média de odds padrão, em relação a uma média padrão de acertos. Entretanto, isso se confunde erroneamente como gestão de banca, quando na verdade é apenas uma divisão de banca genérica.

Posts Relacionados

Deixe um Comentário